segunda-feira, 28 de junho de 2010

O que serão das lembranças?


Resolvi seguir sozinha.
Mas, e o que será de mim?
O que serão das lembranças.
Dos abraços, dos beijos roubados,
Do céu, da terra, das ruas.
Cada canto tem um pedaço seu.
Cada cor tem uma lembrança sua.
Cada espaço me remete ao seu abraço.
O que serão das lembranças,
Sem você, para reavivá-las
Sem seu brilho
Sem seu olhar,
Sem a lua,
Sem Vénus,
Sem sua voz a cantarolar.
Ai Meu Deus! O que serão das Musicas?
Que fizeram para nós.
Cantadas aos ouvidos,
Nas noites de amor .
O que será da lua?
Sem mensagens, para nos transmitir.
Ela então, deixará de existir.
Junto com as minhas esperanças
de um dia te ter.
O que será, dos cantos,
Sonhos e planos.
Que almejávamos ter.
O que será daquela casa,
Agora, vazia casa.
Guardada a sete chaves,
Em mim e em você.
Quero-te.
E preciso de sua proteção.
Meus sentidos estão se perdendo em meio a
todos esses conflitos.
Amo-te.
Como jamais amei alguém.
Oceano, mais além.
Infinita de amores.
Quem diria.
Que um dia
Eu iria
Morrer de amores.
O que será então, das poesias.
Que agora, frias, vazias
Não conseguem mais me definir.
(Márcia Mascarenhas)









2 comentários:

SANDRA LOIOLA disse...

Olá! VC é uma das seguidoras de meu blog: VIVA O TEATRO!, gostaria de saber mais de vc,onde mora?setrabalha com teatro e como soube do blog? Abraço, luz!

Atencisamente, Sandra Loiola
www.sandraeteatro.blogspot.com
www.putyteatrolabore.blogspot.com
www.oficinadeteatrobenjaminsantos.blogspot.com

. disse...

bE COOL