sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Homenagem a ele

Estava eu novamente no R.U. , minha nova fonte de inspiração...(hahaha) , quando resolvi me dirigir à grama. Sentei-me na mesma quando aparece alguem me pedindo fogo pra acender um cigarro. Havia eu lembrando de que na minha bolsa continha uma caixa de fosforo, me dirigi até esse rapaz e entreguei a caixa.. Dois minutos após esse acontecimento, esse mesmo rapaz senta na grama, só que mais distante um pouco de mim, com um violão na mão(Violões me atraem). Tratei logo de chamar esse homem pra vim pra perto de mim.
Entre toques e conversas, acabamos deitando na grama e descobrindo tantas e tantas coisas em comum( e bota coisa em comum nisso). Rimos muito, lembramos de muitas coisas, trocamos ideias novas. E logo na hora da despedida ( depois dele ter fumado 4 cigarros) ele me pediu um papel e uma caneta, dizendo que escreveria algo para mim!
Aqui fica registrado o que ele escreveu, palavras estas que estão gravadas em minha alma, pois foram muito fortes, escritas por um homem que não saberia se veria de novo:
O nada não é bom o amor não é mau.
Meu juízo quase perfeito
Me faz acreditar
Que você tem o meu jeito
Até no medo de errar
E foi tão natural
O teu sorriso de criança
Que tua voz
Marcou lembrança
Veneno doce mortal
De uma rara esperança
Mereço até uma chance
De provar que o real
Nunca será como antes
Configurando a verdade
Num espelho
Trincado de papel
Somos inteiros na metade
E refém do proprio réu
Sou puro orgulho
Sou tudo no nada
Só não sou todo seu
Por que não és minha amada
Mas o sol há de brilhar
Do todo ao imerso
Se caisse um diluvio
Garanto que não iria resistir
Em deixar o salva-vidas
De lado
E afogar-me junto a ti
Só quero te saber
E encaixar duas palavras em você
Mas não sei quais são
E por ser pura ilusão
Não sou o cara sensação
Mas no momento
Que tudo silencia
SOu bode amarradão
Em todas as suas fantasias
Só não escrevo outras linhas
Por que sei que não lerias
Sou puraarmação ilimitada
Disso você sabia
Só não sou imaginação
Por que descobririas
E se há alguma mentira
Em tudo que te disse
Sei que vais me atirar
Quatro pedras e uma garrafa
E que seja de gelo com corote

Erick Alves Rocha

Valeu Erick pela Luz!!

Um comentário:

Bel disse...

Eita que rolou um clima...
hehehehehe

Xêro, menina lind, e cuidado na vida, viu?