segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Clarisse, eu não sei amar

Querida Clarisse,


Hoje descobri que não sei amar. Sei la. Desaprendi. Declaro, que foi muito difícil admitir tal coisa.  Mas, Clarisse, minha querida, quando me peguei frente ao espelho refletindo sobre o ato de amar. Me descobrir desonrosa de tal gloria. Não sei amar porque, não consigo controlar a ausência, não sei ter paciência, para esperar o amor chegar. Não sei amar também porque, separação não me convém. não aceito, não há quem,me diga que isso faz parte do ato de amar. Separar, distanciar.E a distância se amar. Isso minha flor, Clarisse, isso não há.
 Estou pedindo demissão, me demito do amor. Quero viver ao lado, eternamente grudado. Não sendo distanciado de qualquer sensação, que me dê prazer e exaltação.

Minha preciosa, Obrigada por ouvir-me com gratidão

De seu amado, o seu coração.



4 comentários:

Ariel disse...

Gatita, lindo poema!
como sempre...
"♥ bobo, ♥ bola..♥ balão..♥ de natal..são joão já foi!!"

seus poemas me encantam Flor!

Mah disse...

Florzita, Muito obrigada pelo carinho. São pessoas como vc que enchem o meu dia de brilho.
Beijos e borboletas

Rodrigo Passos disse...

perfeito!!!

Léo Santos disse...

Calma, guria, talvez ainda aprenderás! Deixe correr o tempo, deixe soprar o vento, e o rio encontrar o mar... E em breve o amor chegará.

Um abraço!