sexta-feira, 22 de outubro de 2010

E eu que inventei as flores

"Se a realidade te alimenta com merda,meu irmão,a mente pode te 
alimentar com flores." Caio Fernando de Abreu




Ah, as flores, elas enfeitam meu bosque da vida, repreenchem as cores que faltam. E se fazem morada para as borboletas. As flores, delicadamente desnudam-se e possuem todo o corpo externo que a envolve, numa sinestesia, fazem com que os olhares se voltem para elas.
Dedico as flores que inventei, o sorriso de hoje, o de ontem e o do eterno. Pois se hoje o amor me possui, ela é ré culpada, por ter me aprisionado , e me mantida refém do seu aroma de sutileza e espiritualidade. E os chocolates em troca delas, foram pura demonstração de que preserva-las em seu estado natural, sem retira-las de onde elas vieram a brotar, é a maior prova de amor que alguém é capaz de fazer.
Dedico também, belas flores, a vocês, os dias e noites de amor, pois a minha total embriaguez de teu perfume, causou-me imensa sensibilidade, que acarreta-me ao tocar, e sentir cada toque com requinte e exacerbo, como pintor que contempla a sua arte, quando ela se dá por findada.
Agradeço , flores. Por se deixarem ser inventadas por mim, pelos meus sonhos de amor e pelas noites perdidas amando. Agradeço também pela poesia e pela alma que me deste de volta, reencontrei minha alma que estava perdida, meu amado.
Para meu grande amor, pelas noites e pelos dias em que vivemos e que viveremos.

Márcia Mascarenhas

2 comentários:

♫Pri disse...

lindo,lindo,lindo!!!
e inspirador!

bjos!

Anônimo disse...

Que lindo meu amor! Adorei! Vc é realmente demais. Obrigado, por tudo. Cada dia que passa descubro que te amo mais. Beijos minha Borboleta.